Pular para o conteúdo principal

Coletores de dados para o varejo: tudo o que você precisa saber



Os coletores de dados são equipamentos portáteis que, como o próprio nome sugere, serve para capturar dados e informações de forma muito mais rápida e produtiva.
A maioria deles apresenta uma certa robustez, e serve também para gerenciar, processar e armazenar informações que estejam contidas em códigos de barras de produtos.
Neste artigo, você vai entender:
  • Como funcionam esses dispositivos;
  • Quais são os tipos mais conhecidos do mercado;
  • Quais vantagens eles oferecem para os varejistas;
  • Qual o investimento necessário para usar os coletores de dados no varejo.


Como funcionam os coletores de dados para o varejo



Coletores de dados para o varejo têm utilidades que vão além da tradicional coleta de dados por meio da leitura do código de barras das mercadorias.
Devido à mobilidade que oferecem, eles podem ser verdadeiros “computadores de mão”, sendo muito úteis para a realização de inventários, separação de pedidos, recebimento de mercadorias etc.
Tecnicamente falando, eles funcionam tanto para captação das informações contidas no código de barras, por meio de uma tecnologia que usa raios infravermelhos e laser, por exemplo, quanto pela inserção das informações pelo operador (digitação).
Tudo depende do modelo de coletor que o profissional estiver utilizando.
Um ponto interessante a se considerar quando falamos do funcionamento de um coletor de dados é que ele deve ser integrado ao sistema de gestão da empresa (ERP). Assim, a captura e o processamento dos dados se dá de forma integrada, o que facilita muito o trabalho tanto dos operadores quanto dos gestores do negócio.
Dessa forma, ao coletar informações referentes à chegada de uma carga, por exemplo, esses dados também são atualizados para os demais departamentos da empresa (finanças, controladoria, vendas etc.) em tempo real.

Quais os tipos mais conhecidos de coletores de dados
Há inúmeros modelos de coletores de dados disponíveis hoje no mercado, como Coletores Batch, Batch Wireless, Windows Wireless, Android, EDA, Health Care e RFID. Cada qual é utilizado para uma finalidade, que pode ser desde o dia a dia operacional de uma loja (na área de vendas) até aqueles usados em armazéns e centros de distribuição, que precisam ser mais resistentes e ter mais capacidade de armazenamento de informações.
É por isso que é importante conhecer as diversas funcionalidades de cada modelo, para verificar qual deles melhor se encaixa com a necessidade do varejista.


Que vantagens os coletores de dados oferecem para o varejo
Existem muitos benefícios dos coletores de dados para o varejo. Veja, a seguir, quais são os principais:
  • Praticidade: com poucas orientações, os operadores podem coletar os dados sem muita complexidade;
  • Exatidão na operação e segurança da informação: ao invés de fazer um inventário anotando tudo em papel (que pode ser perdido), tudo está armazenado digitalmente;
  • Integração com o ERP: como já citado, os operadores podem inserir as informações diretamente no software de gestão ao utilizar o coletor.

Quanto custa investir em coletores de dados para o varejo

Depois de ler até aqui, talvez você esteja se perguntando quanto custa investir em coletores de dados para o varejo. A resposta é: tudo depende das necessidades de cada negócio.
Conforme o tamanho da sua operação e de como os equipamentos serão utilizados é possível escolher com maior assertividade os equipamentos e, consequentemente, ter uma ideia exata do custo-benefício dos coletores de dados.
Logo, é importante consultar uma empresa especializada para a realização de um projeto e verificação dos requisitos técnicos e de negócio necessários.
Para fazer isso agora mesmo, entre em contato com a PMS TECH e solicite uma consultoria técnica, gratuita e sem compromisso.

by Compex Tecnologia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Linx anuncia compra da Millennium por até R$ 109,6 milhões

Em nota, empresa destaca que aquisição tem o objetivo de reforçar a sua estratégia omnichannel A Linx anunciou recentemente a aquisição da fornecedora Millennium, especializada em soluções de ERP para e-commerces no modelo SaaS, por aproximadamente 109 milhões de reais. Mais especificamente, a Linx pagará pela transação o total de 65,0 milhões de reais à vista, além do valor de até 44,6 milhões de reais, sujeito ao atingimento de metas financeiras e operacionais, para os anos entre 2019 a 2022. Em nota, a Linx destaca que a aquisição da Millennium é mais um passo para reforçar a sua estratégia omnichannel. A Millennium possui mais de mil clientes relevantes em seus segmentos, conforme aponta a Linx, incluindo nomes como Amaro, Riachuelo, Johnson & Johnson, Mormaii, Marabraz, BRF e Infracommerce. O faturamento bruto da Millennium esperado para 2019 é de 31 milhões de reais.

Como o Liverpool usou dados e tecnologia para chegar à final da Champions League

Além de um dos melhores técnicos do mundo e elenco estrelado, time inglês conta com um doutor em física teórica na equipe A grande final da   Liga dos Campeões (Champions League)   acontece neste sábado (01/06), partida que será disputada entre os times ingleses  Tottenham   e  Liverpool . O que poucos sabem é que a edição deste ano vai além do futebol, abrindo as portas para uma nova era do  esporte . O responsável por isso é o finalista Liverpool Football Club, time que revolucionou o mercado futebolístico aplicando tecnologia e  big data  para compensar a falta de dinheiro frente a gigantes do futebol mundial como Real Madrid, Manchester City, Barcelona e Manchester United. Uma das grandes estrelas desse time, aliás, não é o que a torcida esperaria: ele é Ian Graham, um físico teórico formado pela renomada Universidade de Cambridge. Usando o conhecimento matemático de Graham, a equipe inglesa pôde encontrar novos talentos e oportunidades dentro e fora de campo. Um bom ex