Pular para o conteúdo principal

Coletores de dados para o varejo: tudo o que você precisa saber



Os coletores de dados são equipamentos portáteis que, como o próprio nome sugere, serve para capturar dados e informações de forma muito mais rápida e produtiva.
A maioria deles apresenta uma certa robustez, e serve também para gerenciar, processar e armazenar informações que estejam contidas em códigos de barras de produtos.
Neste artigo, você vai entender:
  • Como funcionam esses dispositivos;
  • Quais são os tipos mais conhecidos do mercado;
  • Quais vantagens eles oferecem para os varejistas;
  • Qual o investimento necessário para usar os coletores de dados no varejo.


Como funcionam os coletores de dados para o varejo



Coletores de dados para o varejo têm utilidades que vão além da tradicional coleta de dados por meio da leitura do código de barras das mercadorias.
Devido à mobilidade que oferecem, eles podem ser verdadeiros “computadores de mão”, sendo muito úteis para a realização de inventários, separação de pedidos, recebimento de mercadorias etc.
Tecnicamente falando, eles funcionam tanto para captação das informações contidas no código de barras, por meio de uma tecnologia que usa raios infravermelhos e laser, por exemplo, quanto pela inserção das informações pelo operador (digitação).
Tudo depende do modelo de coletor que o profissional estiver utilizando.
Um ponto interessante a se considerar quando falamos do funcionamento de um coletor de dados é que ele deve ser integrado ao sistema de gestão da empresa (ERP). Assim, a captura e o processamento dos dados se dá de forma integrada, o que facilita muito o trabalho tanto dos operadores quanto dos gestores do negócio.
Dessa forma, ao coletar informações referentes à chegada de uma carga, por exemplo, esses dados também são atualizados para os demais departamentos da empresa (finanças, controladoria, vendas etc.) em tempo real.

Quais os tipos mais conhecidos de coletores de dados
Há inúmeros modelos de coletores de dados disponíveis hoje no mercado, como Coletores Batch, Batch Wireless, Windows Wireless, Android, EDA, Health Care e RFID. Cada qual é utilizado para uma finalidade, que pode ser desde o dia a dia operacional de uma loja (na área de vendas) até aqueles usados em armazéns e centros de distribuição, que precisam ser mais resistentes e ter mais capacidade de armazenamento de informações.
É por isso que é importante conhecer as diversas funcionalidades de cada modelo, para verificar qual deles melhor se encaixa com a necessidade do varejista.


Que vantagens os coletores de dados oferecem para o varejo
Existem muitos benefícios dos coletores de dados para o varejo. Veja, a seguir, quais são os principais:
  • Praticidade: com poucas orientações, os operadores podem coletar os dados sem muita complexidade;
  • Exatidão na operação e segurança da informação: ao invés de fazer um inventário anotando tudo em papel (que pode ser perdido), tudo está armazenado digitalmente;
  • Integração com o ERP: como já citado, os operadores podem inserir as informações diretamente no software de gestão ao utilizar o coletor.

Quanto custa investir em coletores de dados para o varejo

Depois de ler até aqui, talvez você esteja se perguntando quanto custa investir em coletores de dados para o varejo. A resposta é: tudo depende das necessidades de cada negócio.
Conforme o tamanho da sua operação e de como os equipamentos serão utilizados é possível escolher com maior assertividade os equipamentos e, consequentemente, ter uma ideia exata do custo-benefício dos coletores de dados.
Logo, é importante consultar uma empresa especializada para a realização de um projeto e verificação dos requisitos técnicos e de negócio necessários.
Para fazer isso agora mesmo, entre em contato com a PMS TECH e solicite uma consultoria técnica, gratuita e sem compromisso.

by Compex Tecnologia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Linx anuncia compra da Millennium por até R$ 109,6 milhões

Em nota, empresa destaca que aquisição tem o objetivo de reforçar a sua estratégia omnichannel




A Linx anunciou recentemente a aquisição da fornecedora Millennium, especializada em soluções de ERP para e-commerces no modelo SaaS, por aproximadamente 109 milhões de reais. Mais especificamente, a Linx pagará pela transação o total de 65,0 milhões de reais à vista, além do valor de até 44,6 milhões de reais, sujeito ao atingimento de metas financeiras e operacionais, para os anos entre 2019 a 2022. Em nota, a Linx destaca que a aquisição da Millennium é mais um passo para reforçar a sua estratégia omnichannel. A Millennium possui mais de mil clientes relevantes em seus segmentos, conforme aponta a Linx, incluindo nomes como Amaro, Riachuelo, Johnson & Johnson, Mormaii, Marabraz, BRF e Infracommerce. O faturamento bruto da Millennium esperado para 2019 é de 31 milhões de reais.

ABNT lança norma de referenciais de medidas masculinas

A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - promoveu em sua sede nesta quarta-feira, dia 18/04/2012 o lançamento e apresentação da norma ABNT NBR 16.060:2012 - Vestuário — Referenciais de medidas do corpo humano — Vestibilidade para homens corpo tipo normal, atlético e especial. A norma estabelece uma indicação de tamanhos de roupas para homens de porte físico normal, atlético e especial (incluindo roupa de malha e banho). O valor na norma é de R$ 90,90 (Preço ABNT) e R$ 30,30 (Através do Convênio Sebrae para Micro e Pequenas Empresas). A nova norma deve ser adquirida diretamente na ABNT através do site http://www.abntcatalogo.com.br/norma.aspx?ID=90613 (Preço ABNT) ou http://www.abntcatalogo.com.br/sebrae/ (Preço pelo Convênio Sebrae). O usuário pode optar tanto pela versão eletrônica (visualizar em seu PC com aplicativo da ABNT) quanto pela versão impressa (acrescida de despesas de envio). Para visualizar e imprimir as normas técnicas, é necessário a instalaçã…

Portaria 166 de 8 de Abril de 2011 do INMETRO estabelece critérios e procedimentos para fiscalização de produtos têxteis

O INMETRO – Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial publicou no diário oficial da União no último dia 08 de Abril de 2011 a portaria nº 166, que estabelece critérios e procedimentos na fiscalização e coleta de amostras dos produtos têxteis.

Esta portaria complementa a Resolução nº 2 do Conmetro de 2008.

Dentre as informações contidas no documento, destaque para os considerados erros triviais, aquelas pequenas irregularidades formais que não comprometem as informações declaradas e obrigatórias, como por exemplo as abreviaturas que não provoquem interpretação equivocada, a inversão dos símbolos obrigatórios, caracteres menores que o tamanho mínimo permitido (desde que legíveis), símbolos menores que o tamanho mínimo permitido (desde que inequivocamente visualizáveis) e a indicação da composição têxtil fora da ordem decrescente.

Os erros considerados triviais são passíveis de auto de infração com penalidade de ADVERTÊNCIA. Porém em caso de reincidência em e…